É teu? Queres? Paga!

Está quase a fazer quatro meses que uma nova directiva comunitária determinou que se começasse a cobrar IVA sobre todas as encomendas vindas de qualquer país de fora da União Europeia. Quatro meses de alfandegas entupidas, e encomendas que se acumulam, por falta de capacidade dos serviços aduaneiros!… De tal forma que, segundo o expressoContinue a ler “É teu? Queres? Paga!”

Votar ou não votar… eis a questão!

As eleições autárquicas são, talvez, o momento onde, o melhor da democracia e o pior da política, se misturam de uma forma mais clara!…  Por um lado, são estas as eleições onde proximidade entre eleitores e eleitos permite um envolvimento e uma participação sem paralelo no nosso país!… Por outro lado, são estas as eleiçõesContinue a ler “Votar ou não votar… eis a questão!”

Eleições autárquicas: “você não vale nada mas eu gosto de você”!

As eleições autárquicas estão à porta e com elas vieram os vícios do costume!… Presidentes sem qualquer qualidade que se recandidatam, com o apoio dos partidos de sempre, pelo simples facto de terem uma reeleição quase garantida! Opositores com baixíssima preparação, que se apresentam pelos partidos das oposições locais, porque são os únicos dispostos aContinue a ler “Eleições autárquicas: “você não vale nada mas eu gosto de você”!”

Nem mas… nem meio mas!

Em Portugal existe uma instituição linguística que compreende, e corporiza, uma parte do nosso atraso enquanto sociedade: o “mas”! É verdade, nós portugueses, utilizamos o “mas” para temperar a realidade com novas camadas, capazes de confundir o bem com o mal… ou melhor… de os colocar numa dialética que relativiza um para potenciar o outro.Continue a ler “Nem mas… nem meio mas!”

Troika e Destroika… e onde ficamos?

Nas últimas semanas temos vindo a assistir a uma espécie de dança política entre o Governo, os partidos à sua esquerda e o Governador do banco de Portugal, Mário Centeno. O tópico é o código do trabalho e a vontade, do PCP e do Bloco, de reverterem todas as medidas implementadas aquando da intervenção daContinue a ler “Troika e Destroika… e onde ficamos?”

Irá o teletrabalho sobreviver à pandemia? Eu espero que sim!

Quando, há cerca de ano e meio, a pandemia causada pelo vírus do SARS-COVII assolou as nossas vidas, o mundo, tal como o conhecíamos acabou!… De repente, um organismo microscópico alterou de forma indelével o nosso conceito de normalidade e, de um dia para o outro, muito daquilo que tínhamos como certo foi colocado emContinue a ler “Irá o teletrabalho sobreviver à pandemia? Eu espero que sim!”

De bom a muito melhor!

Acredito que para transformar o mundo… para o deixar “um pouco melhor do que o encontramos”… necessitamos de manter uma visão critica sobre o mesmo assim como de ter a coragem de intervir sobre o que pensamos ser os seus problemas e limitações! No entanto, um dos vícios com que mais vezes me deparo, nesteContinue a ler “De bom a muito melhor!”

Plano de Vacinação: “quem está fora racha lenha”!

Nas últimas semanas temos assistido a uma inversão na tendência de novos casos de COVID-19… Na verdade, depois de algumas semanas com tendência descente, tanto na incidência como no índice de transmissibilidade, assistimos a duas semanas seguidas com um agravamento nestes dois indicadores que servem de base á matriz de risco definida para nos guiarContinue a ler “Plano de Vacinação: “quem está fora racha lenha”!”

Deixa que a experiência te sirva e te ensine… mas não permitas que mande em ti!

“A Tradição é um bom servidor e um bom criado, é um bom mestre, mas o pior dos patrões.”  John Thurman Desde que, há pouco mais de uma década, fui exposto a esta fantástica citação de John Thurman, que recorro a ela sempre que sou colocado perante uma situação em que pressinto o risco deContinue a ler “Deixa que a experiência te sirva e te ensine… mas não permitas que mande em ti!”

Como impulsionar o papel social da actividade seguradora?

Como tive oportunidade de mencionar no meu último texto da serie “A semana em voo picado”, na sexta-feira passada a Assembleia da República deu um passo decisivo na resolução de uma injustiça evidente: o facto de, em Portugal, uma pessoa que tenha tido o azar de ter de lutar contra uma doença oncológica e aContinue a ler “Como impulsionar o papel social da actividade seguradora?”